Castelo

Castelo Algoso

Situado no monte da Penenciada, debruçado sobre o rio Angueira, a uma altitude aproximada de 600 metros, foi mandado edificar por Mendo Rufino, no reinado de D. Afonso Henriques e oferecido a D. Sancho I, que em recompensa lhe deu o senhorio de Vimioso.

Descrição

  O castelo diminuto em termos de área, mostrando planta rectangular. A entrada é feita a N. Este lado apresenta pano de muralha com fortes danos estruturais. Foi montada a estrutura na base do promontório. A base assim construída tem cerca de 12 metros de altura, a partir da qual se desenvolve a torre de menagem. Da mesma rocha construíu-se a base para mata-cães. A porta de acesso em arco pleno, foi inserida “à força” num recanto defendido por ligeiro cubelo que já não apresenta merlões. No interior da torre são visíveis sinais de ter possuido três registos, sendo os dois primeiros para habitação e o último de defesa. Em época incerta construiram um muro que dividia estes dois pisos em duas assoalhadas cada. O recinto que está intramuros é de reduzidas dimensões e possui afloramentos rochosos de várias toneladas.

História do Castelo de Algoso

 A antiga linha defensiva da nacionalidade portucalense ao longo da margem esquerda do rio Sabor até à confluência da ribeira de Angueira era constituída por quatro castelos: de dois – o de Milhão e o de Santulhão – já nada existe e dos dois restantes o de Outeiro e o de Algoso, este último é sem dúvida o mais impressionante.  Ocupa uma posição privilegiada, num promontório rochoso e alcantilado, a uma altitude de 681 metros, na extremidade formada pelo rio Angueira e pelo rio Maçãs. Foi edificado por Mendo Rufino, no reinado de D. Sancho I. Algum tempo depois, D. Sancho II concedeu-o à Ordem do Hospital.  Neste castelo de Algoso residia o representante do rei que arrecadava os direitos reais em terras de Miranda e Penas Roias. Em 1710, por ocasião da guerra dos Setenta Anos, pouco depois da queda de Miranda, fizeram os espanhóis diversas surtidas em terras de Vimioso, atacando, entre outras, a antiga vila de Algoso, que contudo conseguiu manter a sua praça. Em termos de área, é um castelo diminuto. Tem uma planta rectangular, e a entrada a norte, onde a muralha está actualmente muito danificada.  Subsiste ainda a torre de menagem, no interior da qual são visíveis sinais de ter possuído três registos, sendo os dois primeiros para habitação e o último de defesa. É impressionante a paisagem que do castelo se avista.